Amitriptilina

Amitriptilina

Amitriptilina

Marca de Referência: TRYPTANOL (Merck Sharp)
Genérico: Tem; apresentações assinaladas com (G)
Similar: AMYTRIL (Cristália)
cloridrato de amitriptilina
Comprimido 25 mg (G): TRYPTANOL
Comprimido 75 mg (G): TRYPTANOL

 

CLASSE

Amitriptilina é da classe dos antidepressivos (cloridrato de amitriptilina; antidepressivo tricíclico; amina terciária).

INDICAÇÕES DA AMITRIPTILINA

Depressão, dores crônicas, dor neuropática, prevenção de cefaléias primárias, cefaléia do tipo tensional, enxaqueca mental.

COMO FUNCIONA A AMITRIPTILINA

A amitriptilina aumenta as concentrações sinápticas de norepinefrina e/ou serotonina no sistema nervoso central; a longo prazo parece haver também maior resposta aos estímulos adrenérgicos e serotoninérgicos. Apresenta efeitos anticolinérgicos e sedativos altos. Absorção: gastrintestinal, boa e rápida. Biotransformação: no fígado. Início da ação: 2 a 3 semanas. Eliminação: urina (como metabólito).

AMITRIPTILINA – DOSES

USO ORAL

• com alimento, para reduzir irritação gastrintestinal.

Adultos

Depressão: Iniciar com 25 mg, 2 a 4 vezes por dia; ajustar a dose de acordo com a resposta clínica.

Limite de dose – adultos (em casa): 150 mg por dia; adultos (hospitalizados): 300 mg por dia; idosos: 100 mg por dia

Dores/cefaleias: Inicia-se com 12,5 ou 25 mg, aumento progressivo conforme a necessidade

Adolescentes

Depressão: Iniciar com 10 mg, 3 vezes durante o dia e 20 mg à noite (ao deitar); ajustar a dose de acordo com a resposta clínica até um máximo de 100 mg por dia, em doses divididas ou em dose única à noite (ao deitar).

Idosos

Iniciar com doses menores e promover aumentos mais graduais das doses, para evitar toxicidade.

CUIDADOS ESPECIAIS COM AMITRIPTILINA

(em negrito: os itens mais importantes ou as reações mais comuns)

Risco na gravidez:

Classe D

Amamentação:

A amitriptilina é excretada no leite; não amamentar.

CONTRA-INDICAÇÕES DA AMITRIPTILINA

Durante o período de recuperação aguda após infarto do miocárdio; pacientes em tratamento com IMAO (inibidor da monoamina-oxidase), incluindo furazolidona, procarbazina e selegilina (aguardar pelo menos 14 dias de intervalo entre antidepressivo tricíclico e IMAO).

AVALIAR RISCOS X BENEFÍCIOS DA AMITRIPTILINA

  • Alcoolismo ativo (depressão do sistema nervoso central pode ser potencializada);
  • asma (pode agravar);
  • aumento da pressão intraocular (pode agravar);
  • diminuição da função do fígado (metabolismo pode alterar);
  • diminuição da função renal (excreção pode alterar);
  • doença bipolar (maníaco-depressiva) (pode acelerar alternância de fases);
  • doença cardiovascular (risco de arritmias, bloqueio cardíaco, insuficiência cardíaca; infarto ou acidente vascular cerebral);
  • doença gastrintestinal (risco de íleo paralítico);
  • doenças convulsivas (limiar para convulsões pode diminuir);
  • esquizofrenia (pode agravar a psicose);
  • glaucoma de ângulo fechado (pode agravar);
  • hipertireoidismo (risco de toxicidade cardiovascular);
  • hipertrofia prostática (risco de retenção urinária);
  • problemas no sangue (podem agravar);
  • retenção urinária (pode agravar);
  • sensibilidade a antidepressivos tricíclicos, carbamazepina, maprotilina ou trazodona (pode haver reação cruzada de sensibilidade).

REAÇÕES ADVERSAS DA AMITRIPTILINA

Efeitos anticolinérgicos (boca seca; visão  borrada; constipação intestinal);fraqueza; queda de pressão ao se levantar; sonolência; fadiga.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS COM AMITRIPTILINA

  • a amitriptilina pode aumentar os efeitos pressores dos vasoconstritores (epinefrina, norepinefrina, levonordefrina) utilizados em anestesia dental.
  • a amitriptilina pode aumentar os riscos de depressão do sistema nervoso central com: álcool; outros medicamentos depressores do sistema nervoso central.
  • a amitriptilina pode aumentar os riscos de efeitos anticolinérgicos (confusão mental, alucinações, pesadelos) com: amantadina; outros medicamentos com atividade anticolinérgica; antidiscinéticos; anti-histamínicos.
  • a amitriptilina pode aumentar a ação de: anticoagulantes (cumarínicos e derivados da indandiona).
  • a amitriptilina pode diminuir o limiar para crises epilépticas, exigindo aumentos de doses de: anticonvulsivantes.
  • a amitriptilina pode aumentar o risco de agranulocitose com: antitireoideanos.
  • a amitriptilina pode ter sua ação diminuída por: barbituratos; carbamazepina.
  • a amitriptilina pode sofrer ou provocar aumento das reações adversas com: bupropiona; clozapina; ciclobenzaprina; haloperidol; loxapina; maprotilina; molindona; fenotiazinas; tioxantenos; dissulfiram; etilclorvinol; eletroconvulsoterapia; pimozida; probucol; simpaticomiméticos.
  • a amitriptilina pode ter sua ação e/ou efeitos tóxicos aumentados por: cimetidina; anticoncepcionais orais contendo estrogênios; estramustina; estrogênios; fluoxetina.
  • a amitriptilina pode diminuir a ação hipotensora de: clonidina; guanadrel; guanetidina.
  • a amitriptilina pode aumentar o risco de arritmias cardíacas com: cocaína.
  • a amitriptilina pode aumentar a depressão mental induzida por: corticosteróides (glicocorticóides).
  • a amitriptilina pode aumentar os riscos de reações extrapiramidais com: medicamentos que causam reações extrapiramidais (ver apêndice).
  • a amitriptilina pode ter sua ação aumentada por: metilfenidato.
  • a amitriptilina pode antagonizar os efeitos com: metilfenidato.
  • a amitriptilina pode aumentar os riscos de crises epilépticas com: metrizamida por via intratecal (suspender o antidepressivo pelo menos 48 horas antes e até 24 horas após mielografia).
  • a amitriptilina pode aumentar os riscos de reações graves* (e até fatais) com: IMAO (inibidores da monoamina-oxidase, incluindo furazolidona, procarbazina e selegilina). (*crises de aumento de temperatura, aumento de pressão arterial, convulsões graves).
  • a amitriptilina pode aumentar os efeitos pressores de: nafazolina oftálmica; oximetazolina nasal ou oftálmica; fenilefrina nasal ou oftálmica; xilometazolina nasal.
  • a amitriptilina pode aumentar as ações e efeitos tóxicos de: hormônios tireoideanos.

OUTRAS CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES:

  • não ingerir bebida alcoólica.
  • cuidado ao dirigir ou executar tarefas que exijam atenção.
  • pacientes com tendência suicida não devem ter acesso a grandes quantidades do medicamento e devem iniciar tratamento preferentemente em hospital.
  • para a secura da boca, mascar chicletes ou gomas sem açúcar.
  • não suspender a medicação sem avisar o médico; pode ser necessário retirada gradual.
  • cuidado com cirurgias (risco de sangramento), inclusive nos procedimentos odontológicos de emergência; se possível descontinuar o uso do produto dias antes de procedimentos cirúrgicos.
  • levantar devagar, quando estiver sentado ou deitado. Evitar mudanças bruscas de posição.
  • evitar exposição ao sol e aos raios ultravioleta; evitar bronzeamento artificial. Usar roupas que protejam bem a pele, além de cremes protetores.
  • ingerir alimentos ricos em fibras e ingerir grande quantidade de líquidos.
  • os efeitos da amitriptilina permanecem durante aproximadamente 7 dias, mesmo após a descontinuação do produto.
  • paciente pode necessitar de maior quantidade de vitamina B2 (riboflavina).
  • checar periodicamente: pressão arterial; freqüência do pulso; contagem sangüínea; pressão intraocular; testes de função do fígado e dos rins; função cardíaca (eletrocardiograma pode ser necessário em idosos, crianças, pacientes com doença cardíaca ou recebendo antiarrítmicos); dentes (pelo menos 2 vezes por ano); concentração do produto (pode ser necessário para acertos clínicos ou em pacientes com reações adversas).
  •  

    ASSOCIAÇÕES

    LIMBITROL
    Antidepressivo;- depressão;- cápsula (cloridrato de amitriptilina 12,5 mg + clordiazepóxido 5 mg). Valeant.

     

    REMÉDIOS COM AMITRIPTILINA EM SUA COMPOSIÇÃO

    • Amitriptilina
    • Amytril
    • Limbitrol
    • Protanol
    • Tilina
    • Tripsol
    • Tryptanol

    NOMES COMERCIAIS DA AMITRIPTILINA NO MUNDO

    • Adepril – Itália
    • ADT – Portugal
    • Amineurin – Alemanha
    • Amioxid – Alemanha
    • Amitrip – Nova Zelândia
    • Amytril (Cristália) – Brasil
    • Anapsique – México
    • Cloridrato de Amitriptilina – Brasil
    • Deprelio – Espanha
    • Elatrol – Israel
    • Elatrolet – Israel
    • Elavil – Canadá, França, Inglaterra
    • Endep – Austrália, Malásia
    • Equilibrin – Alemanha
    • Klotriptyl – Finlândia
    • Laroxyl – França, Itália
    • Lentizol – Irlanda
    • Maxivalet – Grécia
    • Novoprotect – Alemanha
    • Polytanol – Tailândia
    • Protanol – Brasil – não é mais comercializado
    • Redomex – Bélgica
    • Saroten – Áustria, Dinamarca, Finlândia, França, Grécia, Suécia, Suíça
    • Sarotena – Índia
    • Sarotex – Noruega, Países Baixos
    • Stelminal – Grécia
    • Syneudon – Alemanha
    • Teperin – Hungria
    • Trepiline – África do Sul
    • Tripsol – Brasil – não é mais comercializado
    • Tripsyline – Tailândia
    • Tripta – Malásia, Singapura, Tailândia
    • Triptyl – Finlândia
    • Triptyline – Tailândia
    • Tryptal – Israel
    • Tryptanol (MSD)- África do Sul, Argentina, Austrália, Bélgica, Brasil, Hong Kong, Malásia, México, Nova Zelândia, Tailândia
    • Tryptizol – Áustria, Bélgica, Dinamarca, Espanha, Noruega, Países Baixos, Portugal, Suécia, Suíça
    • Tryptomer – Índia
    • Uxen – Argentina

    NÃO SE AUTO-MEDIQUE! Para diagnóstico correto e tratamento adequado, procure um neurologista.

Comentários (11)

  • dinykele dias

    |

    estou tomando amitriptilina que o medico mandou para ansiedade esse remédio pode fazer algum efeito

    Responder

  • JOELMA MENDES

    |

    Boa noite.. A minha mãe usava fluoxetina porém o seu medico trocou por amitriptilina. Há dois meses está usando e ultimamente está tendo sintomas como arritmias e falta de ar. Isso pode ser decorrente do uso desse medicamento ?

    Responder

  • maria emilia couy

    |

    Meu marido já teve 03 AVC, (tem 79 anos) e toma alguns medicamentos como captopril, omeprazol, AAs, sinvastatina. Como acho que ele anda muito triste resolvi leva-lo ao medico e ele receitou cloridrato de amitriptilina, fiquei assustada quando li os efeitos colterais e as contra-indicações do medicamento. Posso administra-lo nesse caso em que já houve AVC? por favor me ajudem, estou em duvida e não consigo dar o remedio a ele. Obrigada

    Responder

  • Adenilson

    |

    Quais os efeitos após para de tomar AMITRIPILINA?

    Responder

  • Helder

    |

    sinto o meu coração bater acima de 100 por minuto mesmo estado deitado fiz até cateterismo,a amitripitilina pode estar causando esses batimentos elevados.espero a resposta muito obrigado…

    Responder

    • Elen Oliveira

      |

      Também sinto a mesma coisa quando tomo, meu coração acelera e fora que fico muito tonta durante o dia e com dor no peito. E eu só tomo um comprimido antes de dormir. Será que é normal? Se algum especialista puder responder por aqui ou me enviar um e-mail ficarei muito grata.

      Responder

  • Izaura

    |

    Poxa vida! Este medicamento pode fazer mais mal do que bem.Eu tomo amitril,e fiquei de orelha em pé com tantos efeitos colaterais. Eu sou uma pessoa cheia de sentimentos guardados.Chegou o momento,que tive que procurar ajuda médica pra vencer processo de depressão. O amitril,juntamente com fluoxetina,foi o que meu médico me medicou n época. O que posso dizer,é que tudo é tão necessário em momentos de crise que não olhamos o preço a se pagar..

    Responder

  • Ana

    |

    Eu tomava Alprazolan a noite e Pondera 01 vez por dia, o médico mudou; Amitryl e Pondera. Vou precisar tomar estes medicamentos por mais quanto trempo?Tenho medo de ficar dependente. Estou com depressaõ h´mais de 04 anos, às vezes melhoro, às vezes pioro. No momento estou muito mal. Não tenho ânimo para nada.
    Ana.

    Responder

  • olivete bredun

    |

    Descobri q estou gravida.gostaria de saber se foi o amitriptina q cortou o efeito do anti concepcional.obrigada. aguardo resposta

    Responder

  • roselia

    |

    tomo este medicamento há um ano e hoje comi 5 trufas que contém extrato de conhaque da cacau show, isso pode me fazel mal

    Responder

  • katia adriana forastiero

    |

    Foi diagnosticada com bexiga hiperativa e a minha médica me passou uma medicação para a hiperatividade da bexiga associada a amitripilina,queria saber se essa medicação tem alguma relação com o tratamento do meu diagnostico?Obrigada,Katia

    Responder

Deixe um comentário

Para Marcar Consulta

Para Marcar consulta com Dr Mario Peres, médico neurologista, CRM-SP 86494 ligue para (011) 3285-5726 para consultas no Centro de Cefaleia ou (011) 2151-0110 para consultas no Hospital Albert Einstein, sala 110.

Redes Sociais

Conheça também o portal Dor de Cabeça.net

Na mídia

Jornal da Tarde O Estado de São Paulo Folha de S.Paulo Radio Câmara Veja GAZETA Band TV BRASIL REDE GLOBO CBN RECORD Globo News Viva Saúde