Melatonina, aminoácidos e a fisiopatologia da enxaqueca

Melatonina, aminoácidos e a fisiopatologia da enxaqueca: a ponta ou o fragmento do iceberg?

RESUMO

O estudo das cefaléias vem se expandindo em diversas direções nas últimas décadas. O conhecimento da fisiopatologia da enxaqueca avançou bastante, recentemente. Desde a teoria vascular das cefaléias até a integração dos sistemas cérvico-trigêmino-vascular e o mecanismo de sensitização central, muitos aspectos foram levantados e hoje são melhor entendidos. Os recentes achados da importância da melatonina na fisiopatologia das cefaléias e também a implicação dos aminoácidos excitatórios, em especial o glutamato, abriram novas avenidas na pesquisa das causas da enxaqueca.

Melatonin, aminoacids and migraine pathophysiology: the tip or a fragment of the iceberg?

Mario Fernando Prieto Peres

Clique para ler:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.