tratamento enxaqueca

Entrevista com Dr Mario Peres sobre dor de cabeça

Entrevista sobre dor de cabeça com o médico neurologista, pesquisador da área de dores de cabeça Dr Mario Peres.

Como tratar enxaqueca, tipos de dor de cabeça, alimentação e enxaqueca

Abaixo alguns tópicos discutidos na live.

TIPOS DE DORES DE CABEÇA E LINHAS DE TRATAMENTO – Live Enxaqueca Crônica

  • Sistema de dor é um sistema de defesa do organismo; disparado para alertar algo que não está bem.
  • Estudos mostram que a maioria da população tem ou terá alguma dor de cabeça na vida; a experiência da dor de cabeça é uma experiência humana.
    • A metade da população tem dores recorrentes, em sua maioria cefaleias primárias: enxaqueca, cefaleia tensional e cefaleia em salvas. Elas vão e voltam, com razões para isso ocorrer.
    • Uma razão (gripe, infecção, batida na cabeça, ingestão de bebida alcoólica): a dor de cabeça acompanha essa razão ou surge após seu acontecimento.
      • Nesses casos, é normal qualquer um ter essas dores, mas em outros, a sensibilidade pode variar para cada pessoa.
  • Faz parte do diagnóstico entender se a dor do paciente está relacionada com alguma doença, ou a ingestão de remédios ou outras substâncias.
    • Muitos fatores levam à dor de cabeça recorrente, por isso se trabalha com a história clínica do paciente.
      • História clínica: quando a dor começou, se ela é antiga, se ela se transformou e piorou ao longo do tempo, sua periodicidade, se tem um horário específico, se está mais presente do que ausente nos dias de um mês.
        • Para avaliar a periodicidade é necessário registrar diariamente, por um aplicativo ou em um caderno. Essas anotações traçam um padrão da dor de cabeça.
        • Na mulher: sincronização das dores com o ciclo menstrual. É comum elas serem durante o ciclo, com mais dor e piorando as crises. A previsibilidade da dor é a chave para o tratamento.
  • Cefaleia em salvas:
    • Mais rara do que a enxaqueca e mais forte.
    • Ocorre mais em homens do que em mulheres.
    • Características peculiares:
      • Dor em um só lado da cabeça (região ocular, podendo ir para o ouvido, maxilar ou para a cervical).
      • Periodicidade específica (mais comum de noite/ madrugada).
      • Surto e remissão, podendo ocorrer por um período e só voltar depois de anos.
      • Dura aproximadamente 45 minutos, com uma dor muito grande, mudando o comportamento da pessoa.
      • Sinais vermelhos no olho, inchaço na região da dor, nariz entope, olho lacrimeja, pálpebra cai.
      • Crise de 15 minutos à 2/ 3 horas.
      • Pode ocorrer de 5 a 8 vezes ao dia.
    • Tratamento:
      • Cortar a dor quando aparece com a inalação de oxigênio ou uma injeção subcutânea.
      • Evitar que a dor apareça com medicamento e tratar enquanto não há dor.
      • Identificar fatores da dor para que ela seja evitada.
  • (pergunta) O paciente fica mais predisposto a ter dores de cabeça quando há ansiedade e depressão. O estresse e a preocupação diária aumenta 40 vezes mais as chances de sofrer com dor de cabeça.
    • Tratamento visando a ansiedade ou depressão, preventivo com ou sem remédio, para relaxar.
  • Enxaqueca crônica – fatores importantes para compreender o melhor tratamento:
    • Sono: ruim.
    • Ansiedade: alta.
    • Humor: para baixo, irritado.
    • Dor.
  • (pergunta) O tratamento analgésico de um quadro deve ser acompanhado por um tratamento preventivo, se não há progressão. Remédios com cafeína pioram o quadro e anti-inflamatórios em excesso não fazem bem. Medicamentos para o tratamento devem ser indicados pelo médico. É fundamental racionalizar e orientar o uso de medicamentos para cortar a dor.
  • (pergunta) A enxaqueca piora ou só ocorre na menstruação. O tratamento ocorre de acordo com a percepção dos desencadeantes de crise. Hábitos saudáveis para o equilíbrio físico e mental devem ser contínuos, pois são chave para evitar a dor.
    • A possibilidade de cura é definida pela remissão, atingir. Só é possível se trabalhada de forma correta.
  • Enxaqueca crônica:
    • Qualquer parte da cabeça, pode alternar sua localização.
    • Enjoo e pode ocorrer presença de vômito.
    • Enxaqueca crônica é a dor que está presente mais dias ao mês do que dias sem dor.
    • A enxaqueca pode ser esporádica ou recorrente diariamente.
  • Cefaleia tensional:
    • Dor de cabeça crônica, todos os dias ou vão e voltam.
    • Não lateja, mas pesa, aperta.
    • Bilateral.
    • Não há incômodo com cheiros, som ou luz.
    • Espectro de manifestação: podem haver crises de cefaleia tensional e enxaqueca.
    • Pode ser causada por tensão, física e mental, emocional, mas não é a única causa.
  • (pergunta) Distúrbio visual: aura visual é um fenômeno que aparece durante ou antes da enxaqueca, cefaleias ou isoladamente sem dor. Auras são auto-limitadas, de 10 minutos à 1 hora, mas pode durar dias também.
    • Pontos escuros, luminosos, embaçamento, linhas em ziguezague, imagens podem crescer.
    • Pessoas com aura visual têm mais risco de depressão, ansiedade, pânico, infarto ou AVC.
      • Mulheres que fumam e tomam anticoncepcional podem ter 18 vezes mais chances de ter AVC. O anticoncepcional isoladamente não é risco sem outros fatores combinados.
  • Mídia e redes sociais divulgando informações médicas:
    • Lado bom: pacientes identificando fatores e sintomas com mais facilidade para relatar a seus médicos.
    • Lado ruim: informações errôneas fazem pacientes encontrarem o pior cenário para si e compreender seus sintomas de forma errada. A busca de outros tratamentos que não são indicados por um médico.
    • A informação e as mídias sociais vêm para ajudar. Mas, não há uma seleção de conteúdo adequado. Não se sabe como pesquisar sintomas e nem utilizar termos certos para a busca resultar em respostas corretas.
    • O trabalho em parceria entre médico e paciente é essencial. A recomendação de leitura de materiais adequados, como o livro “Dor de cabeça” é fundamental para a compreensão do paciente sobre seus sintomas.
    • A relação do médico não é de cima para baixo, mas uma parceria com seu paciente, que é feita com as informações que o paciente consegue juntar de seus sintomas.
  • (pergunta) A falta de vitaminas pode ser relacionada à dor de cabeça, mas não é causa direta. Um estudo diz que a baixa de vitamina D é um marcador de saúde, e pode ser um fator para a dor. A deficiência de vitaminas pode causar anemia ou outras doenças que favorecem as dores de cabeça.
    • Dietas desbalanceadas podem gerar mais inflamação e dores.
    • Fator alimentar mais comum como desencadeante é a falta de alimentação, o jejum. Intolerância a lactose e glúten também podem desencadear.
  • (pergunta) Enxaquecas após a atividade física não é comum. Pode ser causada pela falta de alimentação, água, pressão arterial aumentada, sobrecarga de grupos musculares, muito calor, exaustão. Quem tem enxaqueca tem menos prazer na atividade física. Ela é fundamental para o tratamento da enxaqueca, porque gera endorfinas, melhora o sono, o humor a ansiedade e o peso.
  • (pergunta) Crianças com dor de cabeça:
    • Meninos têm 5% de prevalência; meninas também, mas mais depois da primeira menstruação.
    • Dores de cabeça são genuínas e não podem ser lidas como “manha”.
    • Fazer anotações:
      • Fatores de tensão, estresse.
      • Preocupada, criança fóbica.
      • Alimentação desbalanceada.
      • Jejum.
    • Existe tratamento preventivo para criança, podendo tomar remédio.
  • As dores de cabeça têm tratamento e bom prognóstico. É possível viver sem dor com mudanças na qualidade de vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.