As cinco perguntas mais frequentes dos pacientes sobre remédios para dor de cabeça e tratamento preventivo de enxaqueca

Muitas opções de tratamento para enxaqueca, cefaleias, dores de cabeça existem. Remédios para dor de cabeça podem ter dois focos principalmente: prevenção e tratamento da crise. O conceito mais importante do tratamento da enxaqueca é o preventivo, mas quem sofre de dor de cabeça acaba pensando mais nos analgésicos para diminuir ou cortar a dor na hora que ela aparece, e o tratamento muitas vezes não evolui por esta razão, porque a causa da dor de cabeça não foi atingida, e sim apenas a consequência do processo da enxaqueca. As dúvidas sobre os remédios para tratar a enxaqueca ocorrem tanto no tratamento preventivo como agudo.

Os medicamentos preventivos mais usados são da classe dos neuromoduladores (chamados anteriormente de anticonvulsivantes, topiramato e divalproato), antidepressivos (amitriptilina, nortriptilina, venlafaxina, inibidores de recaptação de serotonina), beta-bloqueadores (atenolol, propranolol, metoprolol, nadolol) ou bloqueadores do canal de calcio (flunarizina). Estas classes são as mais recomedadas nos consensos e guidelines de tratamento de sociedades de especialidade, mas outras classes podem ser usadas também como antihipertensivos (candesartan, lisinopril), vitaminas e minerais (melatonina, riboflavina, coenzima q10, magnésio), fitoterápicos (petasitis hibridus, tanacetum parthenium), toxina botulínica, neurolépticos (olanzapina, quetiapina, aripiprazol, clorpromazina)

Os analgésicos podem ser de diversos compostos, as classes de medicamentos para tratamento agudo são os analgésicos simples (paracetamol, dipirona), antiinflamatórios (naproxeno, diclofenaco, inibidores de cox-2, ketorolaco, ibuprofeno, tenoxicam), ergotaminas, triptanos (rizatriptano, sumatrpitano, zolmitrpitano, naratriptano). Com cautela e absoluto rigor de controle médico, a terapêutica com opióides pode ser uma alternativa a ser considerada.

Vejamos os questionamentos mais frequentes.

1. Este remédio engorda?

A preocupação com o peso é uma verdadeira fobia na nossa sociedade, mais enfática na mulher, há uma verdadeira corrida à perda de peso, regimes, dietas se proliferam. Qualquer tratamento que seja iniciado para a prevenção da enxaqueca deve considerar-se a aderência do paciente. Se um medicamento tem um perfil de aumentar o peso, as chances de o tratamento ser descontinuado, do paciente parar o remédio é grande. O médico deve monitorar o peso do pacienteno tratamento, pesar na primeira consulta e nos retornos de reavaliação do quadro. Alguns remédios realmente apresentam um potencial para aumentar o peso do paciente, ou por aumentar a fome, ou por obstipação intestinal (intestino preso), e restrição de líquidos. Há medicamentos com mais potencial para aumento de peso, alguns remédios com menos chance, outros tratamentos neutros para mudança do peso, e ainda há a opção de um medicamento que possa diminuir o peso. A flunarizina é a que mais aumenta peso, seguida dos antidepressivos tricíclicos (amitriptilina), e do divalproato. O topiramato é um medicamento que pode diminuir o peso, pois controla a compulsão alimentar, o ataque voraz a alimentos, como doces, chocolate.

O paciente com enxaqueca deve ser orientado a fazer exercícios físicos que vão favorecer o controle da dor e também ajudar à perda de peso. Mesmo que a escolha do medicamento seja algum com potencial de aumento de peso, a pessoa deve se cuidar para não deixar o ingesta de calorias na dieta aumentar e também fazer exercícios físicos. Muito cuidado com os remédios para regime, pois muitos pioram a dor de cabeça, podem agravar a irritabilidade, ansiedade, gerar insônia, tremores. Sibutramina e anfetaminas não são recomendadas em pacientes com dor de cabeça recorrente, pois podem agravar muito a dor, crises de dor de cabeça podem aparecer mais fortes e mais frequentes.

2. Vou ficar dependente do medicamento? Vou ter que tomar este remédio para o resto da vida ?

Não, o uso de qualquer dos medicamentos preventivos para enxaqueca e outras dores de cabeça não causa dependência. O que ocorre é uma resposta boa, o remédio funciona e o paciente por conta própria decida parar o remédio precocemente, e aí a dor realmente volta, pois não foi feito adequadamente o tratamento. Isto não quer dizer dependência e sim eficácia do tratamento. Costumamos exemplificar tratamentos da enxaqueca com paralelos a outros tratamentos na medicina. Uma coisa que não ocorre na enxaqueca é o padrão de tratamento com antibióticos, toma-se um remédio por 2 semanas ea infecção está curada, com a enxaqueca isto simplesmente não funciona, os tratamentos devem ser mais prolongados. O padrão mais semelhante é o tratamento da hipertensão arterial, pressão alta, ou da depressão. O hipertenso ou diabético não é dependente do remédio, e sim faz um tratamento para controlar o seu problema de saúde,se ele não tomar o remédio pode mesmo agravar o seu problema, mas estenão é o conceito de dependência.

Os sofredores de enxaqueca sempre perguntam se o tratamento deverá ser realizado para o resto da vida, a resposta é não, mas não há um prazo limitante para parar o tratamento. De novo lembrando dos tratamentos de hipertensão, depressão ou diabetes, se a pessoa perder peso, ou fazer exercícios físicos, ou fazer psicoterapia, o remédio pode ser diminuído e eventualmente retirado, esta retirada deve ser julgada pelo médico pois é mais complexo retirar um remédio do que iniciá-lo. Portanto, é fundamental que o paciente com enxaqueca se envolvano tratamento e inicie alguma medida não medicamentosa como controle dos desencadeantes, sono regular, exercícios físicos, psicoterapias e outros.

3. Vou ficar sedada(o) , sonolenta(o) com este remédio?

Alguns remédios para dor de cabeça, tanto preventivos quanto analgésicos para crisespode dar sono. O paciente deve ser alertado pois o início do tratamento pode necessitar de uma paciência para que ocorrauma adaptação. Antidepressivos tricíclicos como a amitriptilina, nortriptilina, e outros antidepressivos como a trazodona e mirtazapina podem dar sono. É frequente que com a enxaqueca ocorra uma dificuldade com o sono, ou uma demora para pegar no sono, ou manter o sono durante a noite, ou mesmo um sono não reparador, quando o paciente acorda cansado. Nestes casos a escolha de um tratamento preventivo que cause mais sono é adequada.

Há outros medicamentos na hora do dor que podem causar sono, como os compostos que contenham relaxantes musculares, muitos destes remédios contém também cafeína, o que pode reverter esta sonolência. A própria dor de cabeça faz com que a sonolência possa aparecer, independente do remédio.Triptanos (rizatriptano, sumatrpitano, zolmitrpitano, naratriptano) podem cusar raramente sono após sua ingesta mas está relacionada a melhora da dor, ou seja, há um relaxamento após a crise passar. Deve ser tomado um cuidado com os remédios que contenham cafeína ou outros estimulantes como o isometepteno (neosaldina), pois o paciente pode ter insônia, ou mais ansiedade com a ingesta excessiva do medicamento. Lembrar que o isometepteno é considerado doping esportivo pelo seu efeito estimulante.

4. Posso beber álcool com este medicamento?

Bebida alcoólica pode por si só causar dor de cabeça, quando se receita um medicamento preventivo, deve se ter um cuidado especial com o efeito do alcool, se a cefaléia é desencadeada frequentemente após o uso de álcool este deve ser retirado, ou minimizado. Quanto às interações com medicamentos temos o efeito na mucosa do estômago quando associado ao uso de antiinflamatórios. A digestão de alimentos e metabolização de remédios compete com o álcool no fígado, então seu efeito é dose dependente, ou seja, quanto mais uso de álcool pior o efeito colateral. Pode ocorrer também mais tontura, enjôos, sonolência com o uso de álcool. Não vai explodir nada no organismo com o consumo de alguma bebida, uma dose de destilado, ou uma lata de cerveja, ou uma taça de vinho não é ameaçadora a vida da pessoa, mas o melhor é, sem dúvida, evitar.

5. Se tomar analgésicos demais posso ter complicações? Este remédio ataca o fígado ou estomago?

Uso excessivo de remédios analgésicos podem causar um série de complicações. Antiinflamatórios podem gerar gastrite, esofagite, e até sangramentos digestivos se usados abusadamente e sem recomendação e acompanhamento. O fígado pode ser sobrecarregado com muitos analgésicos, as pessoas podem questionar se o uso de remédio preventivo pode afetar o fígado, mas não se importa com a quantidade de analgésicos que toma. Os remédios preventivos não são lesivos ao fígado, o divalproato pode raramente afetar o fígado elevando as enzimas hepáticas, e eventualmente estas enzimas podem ser monitoradas periodicamente.

O uso abusivo de analgésicos causa cefaleia rebote, quer dizer que se a tomada de analgésicos for frequente, diária ou quase diária, a dor de cabeça pode aparecer por causa da tomada de analgésicos. Os analgésicos que contém cafeína podem gerar insônia, tremor, ansiedade e agravar também a dor de cabeça.

7 Replies to “As cinco perguntas mais frequentes dos pacientes sobre remédios para dor de cabeça e tratamento preventivo de enxaqueca”

  1. Gostaria de saber se existe um remédio p/dor de cabeça ou resfriado q. não ataque o fígado e estômago e nem abaixe a pressão ? Como é difícil. Cura a cabeça ou o resfriado, mas fico uma semana ruim do fígado.
    Grata pela atenção

  2. Tomei sibutramina 1 vez essa semana esta semana, antes de ontem as 16:30
    Tive sintomas horrorosos.Parei imediatamente.
    Meu estomago está terrivel
    Demora pra voltar ao normal? Fico sentindo mal estar e sono.

  3. Estou passando por um momento na minha vida que não desejaria nem para um inimigo,tenho 01 casal de filhos ,de 6 e de 9 sempre fui muito ativa alegre,considerada pela ninha familia a boba da corte nem precisava de nada nós mesmos eramos festas ,só de eu est lá tudo era divertido,mas meu quatro foi mudando eu rejeitava ir as festas ,meu marido meio agressivo ,minha mãe falava que eu tava com mahnã,eu esta parecia que garreando o mundo nas minhas costas,foi assim mais ou menos 1 a2 meses,fiquei sem comer 1 mes,sem dormir,meu marido já disisperada ligou para um oessoa conhecida q marcou um psicologo.Rejeitei de ppremeora mas tenho gastrite e ja tava ficando insuportavél aquela cituação.Ele me fez um monte de pergunte e aorimeira foi o que vc quer da vida ou oq vd ta fazendo qui?De cara eu respondi eunão quero fazer pare desse mindo mais,e só estou aq porque ele m troxe.Pesei…….como pensei em suicidio.Mas na hora “H” eu kenbrava meus filhoa somente nele.Ainda estou em tratamento,mas às pessoas que vc acha que te amam,essa na hora “H “te amam até certo pont,eu ouvir da boca do meu marido que eu sou um estorvo.Uma pedra so spato dle,e da minh mãe que sou finjida que è ora mom arrumar um emprego que eu saro.Não timha mr=em 15 dias que eu tinha said,È eu trabalho desde dos 16 como babá,minha carteira já tam 10 anos de inss pago.Na verdade só estou um pouco desabafando mas eu queria mesmo saber se eu para se tomar esswa medicamento a depressão volta a tona como vulcão,ou nada acomtsce?Pois a minha depressão foi conciderada grave?

    1. Nereida já passei por isso,foi considerada uma pessoa manhosa,mas a médica constatou que estava com depressão e passei a me tratar.
      Procurei uma academia e fiz novas amizades e graças a Deus consegui me livrar.Mas a pessoa que sofre com essa doença,sempre estará um passo a cair novamente é o que está acontecendo comigo neste momento,não aguento ficar sozinha…choro constantemente,bebo para dormir ,para que o tempo passe mais rápido…pense positivamente para melhorar e viver a vida com alegria…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.