Dor de cabeça no espaço

Foi publicada na principal revista de dor de cabeça, a Cephalalgia, uma pesquisa realizada na Holanda, mostrando que mais de 60% dos astronautas sofrem de dores de cabeça quando estão no espaço.

Após entrevistarem 17 astronautas experientes, especialistas do departamento de neurologia da Universidade de Leiden descobriram que eles deixavam de sofrer com o problema quando retornavam à Terra.

Os entrevistados descreveram as dores como “incapacitantes”, e afirmaram que a sensação era de que “a cabeça iria explodir”.

Quando o estudo foi concluído, os cientistas sugeriram a classificação desta “dor de cabeça espacial” como doença ocupacional para os astronautas.

No passado, especialistas acreditavam que essas dores de eram um sintoma do enjôo, que por sua vez é provocado pela desorientação causada pela ausência de gravidade. O problema afetou várias missões do programa Apollo, por exemplo.

Porém, mais de 75% dos 21 casos de dor de cabeça documentados por 12 dos astronautas entrevistados não estavam relacionados a sintomas clássicos do enjôo, como náusea, vômitos e vertigem.

Os especialistas acreditam na existência de vários motivos para as viagens espaciais provocarem dor de cabeça. A microgravidade pode ser a principal causa.

Devido ao fenômeno, ocorre a queda dos níveis de oxigênio no sangue e uma mudança na irrigação do cérebro, o que poderia aumentar a pressão intracraniana (fatores que podem resultar na dor).

“Apesar de esse tipo de problema não ser considerado muito grave, nosso estudo demonstra que dores de cabeça incapacitantes ocorrem frequentemente em astronautas que não sofrem disso quando estão na Terra”, afirmou Alla Vein, um dos cientistas envolvidos na pesquisa.

Vein afirma que estudos anteriores mostraram que os astronautas podem relutar em revelar todos os problemas físicos que sofrem quando estão no espaço, portanto, a incidência real pode ser ainda maior do que a descoberta.

Deve ter muita gente mandando a sua dor de cabeça daqui para o espaço!

Referência BBC, cephalalgia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.